Dessa vez, a trilha do café subiu a serra e foi desbravar a história da produção do café de sombra no Maciço de Baturité. A convite do Festival Serra, embarcamos numa jornada de dois dias que nos apresentou o Sítio São Roque, o Atelier 1913, a Casa Caboclo e vários pratos de premiados chefs usando nosso querido café como ingrediente.

Sítio São Roque

Alguém já ouviu falar da Rota do Café Verde? Ao longo dessa rota, uma das paradas é o Sítio São Roque, que fica no Município de Mulungu da região serrana. Lá, a gente conheceu a Mônica Farias, que nos levou até o Museu do Sítio Roque e nos contou um pouco da história da produção do Café Atelier 1913.

Tudo começou com o sonho e a persistência do patriarca Gerardo Farias, que lá no século passado começou sua produção de café 100% arábica. Como funciona: o café é plantado artesanalmente e leva 9 meses para ficar maduro. Depois desse processo, ele passa por cinco estágios até chegar ao pó que perfuma nossa casa e traz mais conforto pro nosso dia a dia. No início, o Sítio São Roque fornecia as sacas de café para compradores e chegou até a exportar o produto para a Suécia. Até que as novas gerações da família perceberam o potencial na produção artesanal e resolveram criar uma marca específica para o café final (torrado ou em pó): o Atelier 1913. A marca remete à produção artesanal e ao ano de início do primeiro plantio.

Lá no Sítio, além do museu, é possível conhecer o plantio nos cafezais, a casa da família, o jardim muito bem cuidados e florido e experimentar os produtos do sítio – feito pelas famílias que moram por lá. A ideia é manter uma sustentabilidade: o sítio fornece insumos para as famílias, elas produzem alimentos que são vendidos aos visitantes e assim, acontece um ciclo positivo para os moradores.

A gente teve o prazer de experimentar, além do Café Atelier 1913, uma tortinha de banana bem fofinha e um doce de compota da fruta, bem fresquinho. Ambos deliciosos e disponíveis para levar pra casa. Ano que vem, completa-se o centenário da primeira colheita, e a festa promete ser grande!

Apesar de morar apenas a 30min do parque, esta foi a primeira vez que fiz uma visita. E, para quem é fã de atividades próximas à natureza – sejam elas radicais ou não – o parque é uma ótima pedida. Neste post, vou fazer um mini guia de como é passar um dia por lá e darei algumas dicas que farão vocês aproveitarem ainda melhor.

AtraçõesComo ChegarEstacionamentoArmáriosAlmoço e RefeiçõesPacotes

A primeira dica que dou a vocês é: chegue cedo. O parque funciona de 10h às 17h, e o local é enorme. Então, se você pretende ir para aproveitar as atrações, o ideal é chegar na hora que está abrindo para não perder nada, porque leva um pouco de tempo entre chegar em uma atração e outra.

Atrações

O parque é cheio de atividades, das mais leves às mais puxadas. Na foto abaixo, vocês podem ver todas disponíveis, bem como no site. Mas vou falar um pouco das que eu realmente experimentei: tirolesa, arco-e-flecha, arvorismo, passeio de caiaque, passeio de lancha, tour pelo Museu e trilha ecológica.

Continuando a série de posts que fiz sobre a minha viagem à Argentina (saudades!), vou falar de Tigre, uma cidade que fica a 33km da capital Buenos Aires. Foi um passeio de um dia e deu pra aproveitar a feirinha linda que tem por lá, bem como apreciar a bela vista do porto.

Chegar lá é bem fácil e dá pra ir de trem ou de ônibus. Entre as duas opções, fomos orientados pelo nosso anfitrião a ir de trem. Preciso falar que essa viagem foi muito agradável. Apesar das ressalvas de que trem é um transporte mais “inseguro” – a mesma sensação que temos por aqui – foi algo que mesmo depois de anos me deixou marcada na memória.

Olhando pela janela, as paisagens verdinhas corriam rapidamente com o som do maquinário. As cadeiras quase vagas ressaltavam que aquela viagem não era tão turística, era um trajeto mais comum de dia a dia. De repente, um grupo de poucos argentinos começaram a entonar notas e desbravaram a cantar ao som de um violão. Não me recordo da música, mas a cena ficou perfeitamente gravada na minha cabeça. Uma manhã de sol, com um clima muito agradável e quase frio, vendo a paisagem passar ao som de uma música local cantada pelos próprios passageiros. Parecia a cena de um livro.

Faz um tempo que o AirBNB virou o queridinho dos viajantes. Além da possibilidade de economia (em alguns casos), ele traz algo muito buscado: a experiência cultural de verdade. Como ele é feito de uma comunidade, é possível encontrar nos anfitriões – que vão recebê-lo em suas casas – um apoio pra sua estadia, uma informação regional e, quem sabe, até um amigo.

Como funciona o AirBNB?

É fácil: o AirBnB disponibiliza imóveis para aluguel por temporada. Ou seja: você pode locar uma casa, um apartamento, um flat ou até mesmo um quarto para passar um período. Daí vem a possibilidade de usufruir do convívio local ou mesmo de uma construção histórica de séculos passados.

AirBNB-telaprincipal

Como são os próprios donos da casa que vão te receber, eles sabem mais do que ninguém sobre o “dia a dia” do lugar, tornando a sua viagem mais próxima do cotidiano e deixando aquele ar menos turístico e cheio de programações prontas. Existem também as reservas nas quais o proprietário não mora na casa para lhe dar suporte, mas você também ganha a comodidade de “se sentir em casa”, mesmo em outra cidade.

Oi gente! Este é o primeiro post – de uma série de quatro posts – com a temática de férias! E, claro, como em toda viagem, primeiro a gente precisa se planejar. Fazendo o planejamento das suas férias, vai ser mais fácil realizar qualquer tipo de viagem, seja ela alguns dias no litoral ou mesmo um roteiro internacional.

Boas-Dicas-Viagem-Europa-Planejamento

Uma coisa que sempre pega a gente nesses planejamentos é a parte financeira, porque parece muito caro fazer uma viagem. Mas, muitas vezes, a gente nem presta atenção que, o quanto gastamos no dia a dia, daria pra planejar uma viagem incrível.

Planejando a sua viagem

O primeiro ponto para planejar a sua viagem de férias é saber seu destino e quanto tempo você pretende passar lá. Então, vamos supor que você vai para Portugal, passar 5 dias. Desse pensamento, você já pode prever o valor da passagem (ida e volta), valor da hospedagem e também o valor das refeições mínimas que você precisa fazer (como almoço e jantar, se o seu hotel já tiver café da manhã).

Viagem-de-Ferias

Posts Antigos »